Posts Tagged ‘MAPEANDO CONFLITOS’

A ESTRATÉGIA DE LOUIS P. SHELDON

06/09/2012

MINHA AGENDA É A PAZ

LUTAMOS PELA DIVERSIDADE SEXUAL PORQUE JÁ ENTENDEMOS QUE ELA É A ONTOLOGIA DE TODA A DIVERSIDADE HUMANA

Os “pastores” fundamentalistas neo pentecostais querem usar o que eles fingem acreditar, preceitos bíblicos contraditórios (e por isso não sagrados), para na verdade abrir caminho para um projeto mais largo de hegemonia de seu grupo.

Agora eles estão usando as populações LGBTs como bodes expiatórios porque ainda há resquícios de homofobia nas outras confissões religiosas. Mas na verdade eles querem vencer os homossexuais, aqui e no mundo, para depois partirem numa cruzada contra as outras religiões, e finalmente, contra o Estado Laico.

Eles sonham retomar o poder que os profetas tinham antes dos reis, onde os místicos controlavam o povo e sua cultura, inclusive a ciência.
É uma empreitada paranóica porque eles são paranóicos, mas o que estão fazendo é um enorme estrago no tecido social.

Eles são a maçã podre do balaio. Os falsos profetas do 3º milênio que apenas por terem o carisma do poder como tiveram Hitler e Mussolini, acreditam que são os profetas de Deus. Escondem suas insustentáveis contradições atrás da trincheira armada contra as populações da diversidade sexual, hoje já reconhecidas pelas religiões mais tradicionais, senão no todo, caminhando para isso.

Não. As populações da diversidade sexual são exigências da natureza que eles querem dar como pervertidas, Como se fosse possível que meia duzia de frases lidas fora do contexto histórico tivessem mais poder que uma natureza de muitos milhares de anos espalhada por toda a superfície terrestre. A ontologia de Deus está na ontologia da Terra.

As populações LGBTs não são contra as religiões, até porque sua imensa maioria é constituída por pessoas que acreditam no transcendente e estão disseminadas por todas as confissões religiosas. Mas, as populações LGBTs não podem mais estar submissas ao fundamentalismo religioso porque estas populações LGBTs são as que receberam o bastão para dar continuidade à evolução das civilizações nas sua perfeita harmonia com todas as tradições as mais diversas. A diversidade sexual é o carro chefe da diversidade cultural, política e religiosa.

É isso que eles querem destruir para em seguida destruir toda diversidade humana.

O AMOR É O ESPÍRITO DE DEUS PRESENTE E VISÍVEL EM CADA UM DE NÓS E NO OUTRO.

29/05/2010
 
GAY CATÓLICO
 
Gay, ou GLBTTTI, é um ser humano com identidade sexual diversa da heterossexual. Esta, a identidade sexual humana dominante e hegemônica. Enquanto espécie é a única diferença.
 
Católico é o humano pertencente à religião cristã universalizada com sede na Santa Sé, o Vaticano. 

Pertinência religiosa é a filiação à uma doutrina de fé no Transcendente Absoluto, Deus.

Jesus de Nazareth, o Cristo é o Filho Unigênito de Deus.

BREVE RETROSPECTO DO BLOG GAY CATÓLICO

No Prólogo tentamos elaborar um panorama da situação dos gays católicos. Triplamente discriminados: pelos gays por serem católicos, pelos católicos por serem gays e pela sociedade heteronormativa. [02]
Contamos apenas um caso em três episódios de como um gay se torna católico a despeito da opressão gerada pela discriminação no meio. [03] , [04] , [05]
Gay nasce gay, mas escolhe ser católico. E escolhe ser católico porque, à exceção da discriminação sofrida por sua orientação sexual, é com a doutrina católica que se identifica, e nenhuma outra responde tão integralmente às suas exigências. A sua “desobediência” será analisada a posteriori. [# in comentários]
Ele entende que há um percurso para – sem perder nada – viver plenamente a sua afetividade e sexualidade. A importância do primeiro encontro, a corte, o namoro, o noivado, e finalmente o casamento que celebra na noite de núpcias. Cada um desses passos tem seu significado sem o qual não compreende a relação com o outro. [09] , [10] , [11] , [12]
Sua religiosidade é isenta de culpa porque acredita em Jesus, quando em Mateus 19, 11-12, revela só a quem é capaz de entender, que desde o ventre materno assim foi formado e que portanto está no Plano de Deus. [13]
Unidos por Deus no casamento, o mistério do Amor  – Deus –  revela-Se na fusão dos cônjuges, na experiência única, real e concreta da ininterrupta Presença do Amor entre ambos, identificando-os um no outro ao ponto de cada um ser dois e os dois… Um.  [14]
E ainda sem deixar de ser, cada um, ele mesmo. É o encontro com o Sagrado que conduz à família homoparental, à educação da prole segundo determinação divina, o envelhecimento na companhia dos seus e finalmente a dignidade da passagem para a Glória do Senhor.  [17]
 

 

CASAMENTO, FAMÍLIA, VELHICE E MORTE

24/05/2010
MAPA 3

 

CASAMENTO, FAMÍLIA, VELHICE E MORTE

Os gays católicos só podem casar nas catacumbas. E não podem ainda, por tempo indeterminado, publicar a sua condição de casados porquanto a eles seria vedada a eucaristia na sua comunidade eclesial.

Ainda que fosse pecado a união de dois que amam, i. e. ainda que numa redução por absurdo, fosse pecado amar, o pecado jamais teria maior importância que Jesus na Eucaristia. Nenhum pecado tem maior importância que a Eucaristia.

A Eucaristia foi instituída por Deus para fazer presente Aquele que salva. Se a Eucaristia é só para os santos para que Jesus a teria instituído?

A Eucaristia é a força do pecador contra o pecado. A Confissão que antecede a Eucaristia revela o arrependimento do pecado.

Mas amar não é pecado, pelo contrário é o ato humano mais santo, o artigo primeiro da Constituição da Nação Divina promulgada por Deus e ratificada por Jesus. Amar é ter Deus presente em nós. Então, amar não é objeto da Confissão. Porque amar é receber o Espírito de Deus.

Lei moral natural: aquela com a qual Deus constituiu os homens, todos e CADA UM, para fazer a escolha entre o que é bom e o que é ruim.

Na lei biológica natural a homossexualidade é nata. Quer dizer, o sexo entre iguais é natural.

De modo que a lei moral natural como é entendida pela Igreja conservadora, contraria a lei biológica natural. Como se fosse possível ser a lei moral natural contra a natureza.

O meio religioso conservador já reconhece o homossexual como natural, mas pretende inculcar a idéia de que a prática homossexual nunca pode ser santa e que o homossexual deve contrariar sua natureza vivendo em abstinência sexual.

Negam assim a obra divina argumentando com um texto da Bíblia, que em si é legítimo, mas que é entendido de forma redutora. É a redução da obra divina, redução que parte da própria teologia que pretende a defesa da Obra Divina. Uma contradição, a falha trágica.  

Tradição: a defesa religiosa vigente da Tradição pretende superar a própria Tradição, fazendo-se maior que ela ao negar a vivacidade das Sagradas Escrituras.

A Bíblia escrita para sempre traz que Deus fez o homem para povoar toda a Terra, e na Sua infinita sabedoria construiu a própria Terra como uma bola fechada e limitada. Significa que Deus previu que um dia a Terra lotaria de corpos humanos segundo a sua capacidade de ocupá-la e consumi-la sem prejuízo da sua sustentabilidade.

Assim criou o homem para procriar também e principalmente no Espírito.

Dado que a Terra lotou, a procriação no Espírito passa à prioridade sobre a procriação biológica. Entretanto, a defesa vigente da Tradição nega a Tradição da inteligência humana ao negar a Sabedoria de Deus em fazer o homem inteligente e espiritual, à Sua semelhança. O homem é mais semelhante a Deus no espírito do que no corpo.

Família: A Defesa Teológica Vigente da Tradição entendeu que a família é um conjunto de indivíduos biológicamente interdependentes. Tornou a família sob esse ponto de vista num laboratório com regras experimentais baseado na eugenia, que a própria Igreja aqui é contraditória porque justamente condena. A eugenia está fora do Plano Divino que estabeleceu a Diversidade, como confirma a Verdadeira Tradição.

A Verdadeira Tradição ela mesma, reconhece que os vínculos espirituais e afetivos entre os membros de uma família são exatamente o que a define em detrimento do vínculo genético. A Defesa Teológica Vigente da Tradição trata portanto a família, sob seu ponto de vista, como um criatório de seres animais; enquanto a Verdadeira Tradição, ela mesma, trata a família como um criatório de seres espirituais.

Com isso a Defesa Teológica Vigente da Tradição não está autorizada à defesa da lei moral natural no quesito em questão, a menos que reconheça a Tradição que ultrapassa os interesses mundanos. Quer dizer, a legítima lei moral natural é maior e melhor que aquela “lei moral natural” que a teologia vigente tem pretendido impor até o século XX.

A teologia vigente perdeu-se das raízes da Tradição e ao longo dos séculos evoluiu para negar a Tradição Original, a Verdadeira. Não em todos os seus aspectos, mas claramente neste em que a Verdadeira Tradição define a família como célula inicial de uma humanidade espiritual superior à família como célula inicial de uma humanidade puramente biológica.

Assim, a família homoparental católica é legítima se tiver como objetivo a formação de si mesma e de sua prole, no sentido de ser uma família humana espiritualizada e submetida a Deus.

A prole portanto pode ser mantida, criada e educada por quaisquer indivíduos que constituirem uma família voltada para Deus. A prole pode resultar de filiação biológica ou não, porque filho será aquele que reconhecer Deus como o Senhor absoluto, em particular Jesus, se a família for cristã; e, pai ou mãe será aquele que inspirar na sua prole esse reconhecimento.

A família cristã, objeto de nossa análise, crescerá e frutificará nesses termos. E será sempre legítima qualquer que seja a sua configuração.

E desse modo envelhecerá cada um que participar de sua constituição. Na dignidade de uma velhice cristã e católica, amparada pelos seus membros e seus pares.
E cada membro será acompanhado por todos da família até o seu último momento, após o que, a ele será prestada reverência por toda a eternidade.

 

MAPAS DOS NOSSOS CONFLITOS

10/04/2010

O Gay Católico na pretensão de ser um dos espelhos de um corpo específico de católicos, rejeitado pela Igreja, acredita que é possível mapear os conflitos e pressões de que é alvo.

MAPA 1

1. A Igreja entende que a homossexualidade é sim uma doença, “uma perturbação intrinsecamente má”, “uma desordem moral e psíquica”, e isto gera o primeiro de todos os conflitos, já que os gays reconhecem a sua congenitalidade, i. e, sentem-se gays de nascença. Os sinais são vísiveis desde a primeira infância. Por isso, desde então são discriminados pelas próprias mãos que os batizaram.

2. Decorre do primeiro, porque sendo a homossexualidade inaceitável do ponto de vista clerical, sua efetiva expressão não só é reprimida pela Igreja que os obriga à rejeição da própria sexualidade através da abstinência sexual, como também lhes é imposta a “regressão à heterossexualidade” justificada pela “lei natural”, lei essa que por sua vez tem, a rigor, origem na Tradição Humana da Igreja, e que os gays consideram impossível já que não há um estado heterossexual anterior para o qual se possa reverter.

3. Não sendo admitidos à comunhão plena com a Igreja, não encontram nem espaço e nem reflexo para o seu desenvolvimento espiritual e cultural católico, o que acaba por afastá-los quando não fisicamente desse contexto, pelo menos da sua plenitude moral, e mormente da plenitude espiritual cujo significado para o gay católico é mais que imprescindível, é vital. Existe uma Espiritualidade Gay Católica que não emerge, permanecendo sufocada e impedida de se apresentar ao outro, e que seria de enorme valia para todo o corpo católico sem restrições.

4. Os que se afastam fisicamente não tem outra alternativa que inserir-se no mundo gay de espiritualidade controversa, onde se deparam com a permissividade e relatividade da cultura hodierna. Com isso assumindo atitudes que se opõem ao que foram projetados desde o nascimento como seres espirituais e espiritualizados.

5. Segue naturalmente que discriminados, sem a cultura e religiosidade que lhes correspondem, sua sexualidade é reduzida ao encontro possível e limitado dos seus corpos com o corpo do outro, sem alcance para a sexualidade espiritualizada, tornando-a insatisfatória, insuficiente e obstruída, vedando o alcance da felicidade, da alegria e da paz espiritual à plenitude. O meio hostil, quer religioso, quer mundano, sequestra o gay católico da liberdade e da verdade. Refém apartado compulsoriamente do Absoluto do qual faz parte, ao qual pertence e que representa o maior significado de sua existência enquanto pessoa humana.

6. O universo gay do mundo por sua vez, discrimina o gay católico, porque este não se vê fora da Igreja que o condena, e aquele não aceita essa compulsão que considera, à maneira do Magistério Católico, como “intrinsecamente desordenada”, i e, uma doença mental que deve ser curada e da única forma possível que seria deixar de ser católico.

7. Duplamente discriminados: pelos católicos porque são gays, e pelos gays porque são católicos, formam um corpo social pulverizado, marginalizado como nenhum outro e distantes entre si, perdidos da unidade necessária para refletir e resolver seus conflitos, e dar prosseguimento à sua existência como indivíduos e seres sociais.

Obs: Nos próximos mapas tentaremos abordar a questão da associação de dois gays católicos: o encontro, a formação do par, a situação legal, a situação religiosa do casal formado e a sexualidade dos cônjuges.

Também, o casamento gay, a formação da familia homoparental católica, a educação de sua prole, a velhice e a finalização da sua existência.

Um dos mapas será dedicado à vida profissional e às vocações sacerdotais.

E ainda um mapa específico para a diversidade gay católica, quer dizer: cada membro da sigla GLBTTT, inclusive os não gay que reconhecem a naturalidade da existência e defendem a sua inserção plena no catolicismo.

Aos mapas seguir-se-ão as discussões – posts e comentários – em torno de cada conflito, não necessariamente na ordem apresentada e não necessariamente sem solução de continuidade, podendo ser intercaladas com os eventos circunstanciais importantes que se apresentarem nos comentários ou na sociedade, segundo a sua urgência.

Com tudo isso o Gay Católico espera estabelecer as bases para a elucidação e consciência do mundo e da Igreja, daquela que é hoje a realidade mais desconhecida que obscurece a civilização.

Contamos com você.


%d blogueiros gostam disto: