Archive for junho \27\UTC 2012

Folha de S. Paulo – SIM, HOMOFÓBICA!

27/06/2012

QUEM DISSE QUE A FOLHA NÃO É HOMOFÓBICA?

– para ser publicado no Painel do Leitor da Folha de S. Paulo –

A ouvidora Suzana Singer saiu em defesa da Folha e do responsável pelo Painel do Leitor,ambos acusados de homofobia por publicar comentário racista (homofóbico) de leitor, alegando que por outro lado publicou editoriais que defendem tanto a diversidade sexual como a liberdade de expressão.

O argumento do editorial da Folha em defesa da criminalização da homofobia não a equipara ao racismo como deveria, antes sujeita-a à liberdade de expressar aversão ao ponto desta se confundir com ódio e incitar à violência homofóbica.

Uma isenta análise comparativa dos escritos postados no link  https://gaycatolico.wordpress.com  (publicados lá por falta de espaço nesta coluna), dão conta de que, sim, a Folha é mais homofóbica do que tolerante. Mais morde que assopra.

Benjamin Bee

__________________________________________

Acabo de receber…

Benjamin,
seus argumentos são fortes, mas não me convencem de que a Folha é homofóbica. Sobre publicar uma mensagem sua, acredito que sim. Você pode resumir sua posição, porque a mensagem deve ser curta, e eu posso encaminhar ao painel do Leitor. Mas não posso garantir que ela vai sair, porque não sou responsável pela seleção.
Atenciosamente,

Suzana Singer
Ombudsman – Folha de S.Paulo

___________________________________________________

a história…

Recebi em 19/06

Caro Benjamin,

abordei o assunto na minha coluna do último domingo. Espero que a tenha lido.

Abaixo segue consideração do Painel do Leitor.

Atenciosamente,

Suzana Singer
Ombudsman – Folha de S.Paulo

____________________________________________

Respondi em 27/06…

Suzana Singer

Demorei para responder sua mensagem por falta de computador, me desculpe.

Eu poderia escrever um livro tão difícil que é resumir esse assunto. Eu esperava outra resposta sua, diferente da defesa que você faz da Folha.

Apesar da Folha ter em seus quadros pessoas bastante justas com a diversidade, também acolhe jornalistas homofóbicos. E o jornalista do painel do leitor é um deles. Outro é o diretor da cobertura da Parada feita pelo UOL. São casos de flagrante aversão aos homossexuais. Se você quiser posso comentar a cobertura da parada, mas aqui e agora só farei breve reflexão sobre o significado de liberdade de expressão em cima do que se publicou no painel do leitor e que você defendeu.

Primeiramente, a afirmação de que as pessoas LGBTs estão exagerando na luta pelos seus direitos é paranóia de homofóbico. Não há exagero algum, apenas defende-se a própria vida. Só um diferente sabe o que significa a sua luta. Os homofóbicos só conhecem o próprio sentimento de aversão e acham que esse sentimento é justo, saudável, verdadeiro e se justifica acima da violência a que são submetidos os diferentes.

E você na qualidade de jornalista ouvidora (dos interesses da Folha e não do cliente), não se apercebeu do conteúdo homofóbico da mensagem do leitor do painel, o escritor Kujawiski. E conteúdo homofóbico de uma mensagem caracteriza discurso de aversão, portanto discurso de ódio. Considerou o discurso do leitor como um discurso de opinião e não de aversão, de ódio que foi. E que foi muito além do discurso de ódio, incitou à violência.

Não é o que se escreve que se lê. O que ele escreveu, seguramente não foi lido ao pé da letra. O leitor mais equilibrado, até daria um desconto na raiva do octogenário (se soubesse que é um octogenário), mas o leitor com um mínimo de aversão a gays alimentaria sua aversão que deixaria de ser mínima e obviamente, numa escala crescente chegamos até aquele que está prestes a cometer assassinato. Só bastava esse empurrãozinho. Mormente se soubesse tratar-se de um texto elaborado por um intelectual.

Um discurso de opinião tem uma linguagem que não suscita esse tipo de interpretação. É possível levantar uma discussão sobre a legitimidade de qualquer coisa, até do amor de mãe, e sem exibir aversão se a linguagem for correta e se houver honestidade intelectual. É isso que exigimos, que se discuta uma opinião nessa base e não nos termos das falácias que sugerem e provocam sentimentos de aversão; e no extremo, ações de ódio assassino.

Ele começa afirmando que a Parada é uma apologia da homossexualidade. E é, também. Como não deveria ser? Estamos na avenida para dizer que temos orgulho e afirmar orgulho é uma forma de apologia. Mas daí a deduzir que estamos fazendo proselitismo, que é o que ele quis traduzir do termo “apologia”, existe apenas a distância entre a opinião e a aversão. E ele cresce nessa aversão até traduzi-la em ódio exterminador, onde os exterminados seriam os héteros. Que você, Suzana Singer, chamou de “ironia de mau gosto”. Muito sugestivo, mas cuja tradução real e evidente é o extermínio daqueles que fazem o proselitismo da homossexualidade, para assim garantir a sobrevivência dos heterossexuais. Ele levanta o sentimento de extermínio contra aqueles que ameaçam a heterossexualidade. Pareço exagerado? Quanto você quer apostar que o sentimento que o levou a escrever aquilo daquele jeito não se tratava de ódio exterminador? Obviamente se perguntado ele dirá que não. Que ele só gostaria que a parada não fosse “tão ameaçadora”.

E você, Suzana Singer, chamou a esse discurso de ódio, à essa incitação à violência de “ironia de mau gosto”. Justificou assim a liberdade do jornalista que permitiu a publicação, e abriu espaço para o discurso de ódio e a incitação à violência mascarados de “ironia de mau gosto”. Você consegue ver a sua própria homofobia nessa expressão? Eu consigo.

Então, você na qualidade de ombudsman antes de defender o jornalista homofóbico que permitiu o disparate, pense como seria se o objeto do comentário de Kijawiski fosse a comunidade negra. Porque homofobia é racismo, nem menos nem mais.

Já é hora da imprensa entender que homossexualidade não é escolha, não é vício de comportamento. Vale para você também, Suzana Singer. Porque se você considerasse a orientação sexual da cada um como um dado inexorável e fixo que é, você entenderia os reclamos das pessoas LGBTs. E a Folha de S. Paulo manteria a liberdade de expressão sem permitir o discurso de ódio à diversidade.

Benjamin Bee

Os pivôs do crime:

http://www1.folha.uol.com.br/paineldoleitor/meuolhar/1102742-para-leitor-ser-hetero-nao-sera-politicamente-correto.shtml
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ombudsman/49243-sera-que-a-folha-e.shtml

______________________________________________

Ainda respondendo a Suzana Singer, ombudsman do grupo Folha que afirmou em sua coluna do dia 17/06/2012 que a Folha não é homofóbica.
Suzana

Eu ainda gostaria, se me permitisse, comentar sua afirmação feita na sua coluna do dia 17 último.

“Para saber a opinião da Folha, tem que olhar os editoriais. Nos últimos anos, eles defenderam iniciativas que visam garantir direitos de casais aos gays e a aprovação de uma lei específica contra a homofobia (sem tolher a liberdade de expressão).”

Exatamente. A Folha defende uma lei contra a homofobia “sem tolher a liberdade de expressão”. O que significa isso? Permitir a liberdade de expressão qualquer que seja a expressão? Mesmo que seja a expressão de um sentimento de aversão que induz um outro a fomentar, amplificar o seu próprio sentimento de aversão já existente?

Você se refere ao editorial da Folha que trata do PLC 122. Eis o que diz o editorial da Folha mencionando o PLC 122:

… “Ele inclui a discriminação por orientação sexual na que trata de crimes por preconceito de raça ou de cor (nº 7.716, de 1989).
O problema maior é antigo, portanto. Está no artigo 20 dessa lei (“praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”), que passaria a abranger a orientação sexual.
A amplitude e a indefinição dos termos ergueria uma espada sobre qualquer discurso ou escrito que condene a homossexualidade. Poderia ser acusado de “induzir” a discriminação e, em tese, levar à pena de reclusão por um a três anos, mais multa.”

Está claro que se trata do discurso proselitista religioso, porque o científico ou filosófico jamais condenaria a homossexualidade, ou não seria nem científico, nem filosófico.

in

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1705201101.htm

Então, a Folha está ao lado da homofobia religiosa ou não?

Além disso, poder ser acusado de induzir a discriminação não significa ser condenado por induzir. Deduzir o que seria a decisão de um juiz antes de um processo é o quê? O argumento do editorialista aqui é falacioso.

Agora…

João Pereira Coutinho em

Homofobia não é crime

“Pretender criminalizar a homofobia porque não se gosta de ideias homofóbicas é querer limpar o lixo que há na cabeça dos seres humanos. Essa ambição é compreensível em regimes autoritários, que faziam da lavagem cerebral um método de uniformização. Não deveria ser levado a sério por um Estado democrático. ”

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/14528-homofobia-nao-e-crime.shtml
Pergunto: ele escreveria? – “Pretender criminalizar o racismo porque não se gosta de ideias racistas é querer limpar o lixo que há na cabeça dos seres humanos. Essa ambição é compreensível em regimes autoritários, que faziam da lavagem cerebral um método de uniformização. Não deveria ser levado a sério por um Estado democrático. ” ???

Ora, a homofobia religiosa não é diferente do racismo. Religiosa ou não ,ela sempre será a negação de um grupo social que não pode ser diferente do que é.

Quer dizer então que não se pode criminalizar a homofobia porque a criminalização vai impedir de se alardear Levíticos e Romanos? Mas Levíticos já está impedido em sua quase totalidade pela própria aculturação das sociedades. E Romanos? A Lei do Divórcio impediu a ICAR de alardear sua rejeição e discriminação dos divorciados? Deus ama os divorciados, mas odeia o divórcio…

Suponha que alguém diga “eu não gosto de negros” A Folha publicaria? Publicaria no Painel do Leitor?

A Folha publicaria minhas mensagens que acabei de lhe enviar?

Diga agora se a Folha é ou não homofóbica?

Apesar de ter em seus quadros jornalistas não homofóbicos que produzem matérias em defesa da diversidade, Suzana, no morde e assopra, está vencendo a mordida.

Benjamin Bee


%d blogueiros gostam disto: