MAPA 2

MAPA 2
O encontro, a formação do par, a situação legal, a situação religiosa do casal formado e a sexualidade dos cônjuges.

O ENCONTRO ( – A CORTE – )

Católicos têm sua perspectiva de vida centrada em Jesus, Cristo. Anseiam, ao menos num primeiro momento, encontrar seu par entre os católicos para que juntos possam estabelecer um convívio na presença de Deus, a partir do Amor. Assim, é muito frequente que os católicos frequentem sua comunidade religiosa e esperam que através dela o encontro com seu par aconteça.

Evidentemente não é uma regra, apenas uma estratégia. Não poucas vezes um católico encontrará seu futuro cônjuge fora do seu círculo religioso, que poderá até nem ser católico. Entretanto a maior frequência de encontros ocorrerá dentro da própria comunidade. Se o Amor se apresentar entre ambos, o par iniciará um período de reconhecimento entre si. É a fase da corte.

Contudo, o estigma de desordem moral lançado sobre os gays induz o gay católico a esconder sua sexualidade, na quase totalidade das vezes. Isso dificulta o encontro com outros gays dentro da comunidade porque quase todos estão na mesma situação. E a maioria em conflito com sua identidade sexual, muitas vezes tentando travesti-la de heterossexual, chegando mesmo ao casamento com alguém do sexo oposto dentro da comunidade, sem Amor e fadado ao sofrimento mútuo.

É muito comum encontrar grupos de gays não assumidos que buscam orientar-se para a vida religiosa. Pode-se afirmar que grupos de pré-postulantes são quase na totalidade constituídos por homossexuais. Não há estatísticas a respeito por dificuldades óbvias.

Raramente ocorre que dois gays se encontrem dentro da comunidade. Assumidos para si, unem-se e passam a viver uma relação do tipo “don’t ask, don’t tell”. Marginalizam-se, quando não afastam-se de vez da comunidade para viver sua parceria.

Outras vezes, sofrem a vivência de uma relação exclusivamente platônica.

Em qualquer situação, os gays católicos acabam por reprimir o afeto para o qual foram divinamente construídos. É o fracasso como seres humanos totais.

NAMORO, NOIVADO, CASAMENTO

Estas fases da formação de um casal ocorre em todas as culturas. Dir-se-ia que são ontológicas.

A FORMAÇÃO DO PAR ( – O NAMORO – )

Na felicidade de que o encontro seja bem sucedido, o par inicia o “namoro”.

Para poupar a comunidade do “escândalo”, afastam-se dela e na esperança de que o Amor sustente a relação tentam evoluir em Cristo isoladamente, relacionando-se com a Igreja apenas nas formalidades rituais. Dessa forma a identidade do par, enquanto casal, é sufocada e impedida de crescer social e religiosamente. Para a Igreja esse par, real e concreto, simplesmente não existe.

A SITUAÇÃO LEGAL ( – O NOIVADO – )

O casamento no civil para os gays católicos implica o “outing” para a Igreja. Não há ainda, referências do comportamento dos padres em relação à essas uniões, no que se refere à comunhão eucarística. É um futuro incerto tendo-se à vista que os padres não têm conhecimento se tais uniões implicam a prática sexual na vida privada dos cônjuges. Certamente estes serão convidados ao sacramento da confissão e nesta, a intimidade poderá ser ou não revelada, dependendo do fôro íntimo de cada confidente em considerar a relação pecaminosa ou não.

Como o Magistério da Igreja parte errôneamente da idéia de que as uniões civis sugerem obrigatoriamente uniões carnais, e, o “outing” que a legalização dessas uniões implica, arrastam os pares gays para fora desse instituto legal deixando-os ao relento das suas salvaguardas. Ou seja, vão evitar a união civil e perder os direitos a que fazem jus.

A SITUAÇÃO RELIGIOSA DO CASAL FORMADO ( – O CASAMENTO – )

Preconceito, estigma, repulsa, nojo e homofobia é o que o casal gay católico encontrará na sua comunidade religiosa, na missa, na eucaristia. Apesar de terem sido unidos pelo Amor, de viverem na Presença Dele, muitas vezes com verdade e em profundidade maior que entre muitos casais heterossexuais católicos, essa Presença não é enxergada, sentida, reconhecida pela comunidade. Como entre os cônjuges a Presença de Deus é mais forte que o preconceito, quem acaba por perder dessa relação é a própria comunidade religiosa.

Como o sacramento, dogma da Igreja, estabelece  – pela Tradição – que o matrimônio é união entre gêneros díspares, com fins de procriação e educação da prole, não há como sacramentar a união gay.

Na melhor das hipóteses, o que se poderia esperar a curto prazo seria a criação de um instituto religioso inteiramente novo, não sujeito a sacramento, mas que permitisse a integração do casal gay à vida comunitária religiosa. E a longuíssimo prazo, a extensão do sacramento do matrimônio a todo e qualquer casamento que tenha por objetivo a constituição de familia – no ESPÍRITO – independentemente dos gêneros dos cônjuges.

A SEXUALIDADE DOS CÔNJUGES GAYS CATÓLICOS

Este capítulo especialíssimo requer análise em separado no próximo post.

Tags: , , ,

3 Respostas to “MAPA 2”

  1. Kiko Riaze Says:

    Querido, parabéns pela autenticidade e coragem! Imagino que para você, sendo cristão, este tema venha cercado de muito estigma, julgamentos e cobranças.
    Ainda mais num momento delicado, quando o cardeal porta-voz do Vaticano teve a infelicidade de jogar a culpa pelos crimes de pedofilia da igreja na homossexualidade, fomentando ainda mais o preconceito e as idéias erradas que as pessoas fazem dos gays. Espero que o Vaticano se desculpe por ter dito tamanho absurdo e assuma suas falhas.
    Mas acredito no fundamento daquele velho dito popular: “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura…” Um dia você e todos os gays cristãos terão êxito em sua luta por igualdade e aceitação dentro de sua religião.

  2. Benjamin Bee Says:

    Kiko

    É verdade, é preciso muita coragem de todos os gays católicos porque ignoramos muito do que é a Igreja e temos medo da excomunhão. Um anátema! Você é muito inteligente e sabe a profundidade desse estigma. Mas hoje, já estamos à altura de rebater os argumentos do Magistério Católico sem grandes riscos de nos vermos alijados da comunidade católica.

    Quanto às declarações do Cardeal Bertone, o Chefe de Estado do Vaticano, já foram esclarecidas pelo porta voz do Vaticano, Frederico Lombardi. Veja no link do nosso twitter.

    Mas a situação continua grave e agravando-se a cada dia. O Cardeal Bertone é homofóbico e é o segundo nome da hierarquia, ainda forte de saúde e jovem o suficiente para ser candidato à sucessão papal.

    A impressão que hoje tenho é que Bertone tentou matar dois cordeiros com uma só paulada.

    Para mim, suas declarações tinham como verdadeiros alvos: formar tábula rasa contra a união homossexual e a adoção de crianças por famílias homoparentais e com isso ganhar apoio do sectarismo católico; e também, aumentar a pressão pública sobre sua Santidade levando o Papa ao estresse e até mesmo a morte. Não é grave?

    Com a morte do Papa, Bertone seria o nome mais influente do Conclave.

    Imagina você as consequências. Mais do que para nós gay católicos que já estamos mesmo à margem, mas principalmente para os homossexuais de todo o mundo.

    O que impede os gays de avançar mais rapidamente na conquistas dos seus direitos é, sem dúvida, a atuação da Igreja Católica, a maior denominação cristã do mundo, onde a cristantade é praticamente hegemonica.

    Se Bertone, com bons anos de vida pela frente, se elege Papa, a evolução do conceito de família enfrentará novas e mais íngremes ladeiras. Sem a nova família, o Amor não se manifestará em toda a sua grandeza e sem Ele o que podemos esperar senão guerras, fome, opróbrio?

    O que está em jogo, Kiko é a dignidade humana, é a civilização.

  3. O AMOR É O ESPÍRITO DE DEUS PRESENTE E VISÍVEL EM CADA UM DE NÓS E NO OUTRO. « Gay Católico Says:

    […] passos tem seu significado sem o qual não compreende a relação com o outro. [09] , [10] , [11] , [12] Sua religiosidade é isenta de culpa porque acredita em Jesus, quando em Mateus 19, 11-12, revela […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: